quinta-feira, maio 25, 2006

A agreste beleza "de las agujas de Galayar".


21 de Maio de 2006

Punta Margarita - oeste Directa - ?
El Torreon - Lucas/sur - vº

Na sexta não conseguia adormecer talvez pelo exame do sábado talves por ter bebido um café. A Natália para Itália. Dormi 2h, às 5 e tal da matina estava a peantes destino Lisboa. Como me disseram que o exame era muito dificil, não estudei - pensava que não valeria o esforço. Acontece que tirei 65% e precisava de 70% to be a Macromedia Certified Flash 2004 DEVELOPER. Resultado failed, mas um bom resultado que até me aumentou a estima. Com a estima toda em alta fui a decathlon comprar um prusik vermelho (o resto do material já o tinha), e conduzi rapidamente em direcção a Portalegre. Preparei a mochila e fui ter à Teixa. O João tinha estado a trabalhar o dia todo, mas não resisitiu ao convite e passado uma horita já estavamos a caminho, eram perto das 18h. Em Cáceres fomos ingerir as calorias que iriamos necessitar ao Pato Donald, e compramos um "chorizo" no Carrefour. Chegamos ao barranco perto da 1h da manhã, puzemo-nos a caminho. A miar com o peso da mochila superamos 700 metros de desnivel e 8 km de distância. Chegamos ao refugio às 4 da manhã. Vimos 2 ou 3 badamecos cá fora dentro dos seus comfortaveis sacos cama, + um cãozito a ladrar. Deduzimos que o refúgio estaria cheio, e que o "majara" podia-se chatear (mais tarde soubemos que estava cheio de ar, nem escaladores brutos nem majara), e decidimos dormir ali mesmo num bivaquezito manhoso numa parede atrás do refugio, mesmo de front para o el Tórreon. Antes de dormir ainda comemos chourizo e roquefort com broa alentejana, só faltava mesmo a vinhaça. Meti-me dentro do saco cama e o João (que não o quiz carregar) tentou dormir ao relento enroscado numa mantita de sobrevivência... parece que não conseguiu dormir nada (eu cá dormi mesmo muito bem). Pelo buraquinho do saco cama via o Tórreon recortado e o resto das agulhas, aqueles abismos erguidos como gritos de agonia nocturna, que enchiam o meu peito de alegria e ansiedade. Sinto-me sempre pequenino com tão bela visão, com estes e outros pensamentos lá adormeci (estava bastante cansado).
Acordamos por volta das 8h com a luz já a incomodar. E lá estavam ELES, agora vistos à luz do dia, metiam ainda mais medo.

1 Comments:

Blogger chb said...

Excelente relato... Já vi que continuas a escalar e a fazer também umas ascensões...

Espero ver-te no Encontro de Escaladores em Sagres!

Abraço

10:14 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home