quarta-feira, setembro 02, 2009

Férias 2009 - Parte I

As férias é algo ansiado por todos, queremos fugir à rotina e passar uns momentos divertidos e sossegados. Os três amiguinhos ansiavam também as suas mini férias, mesmo sabendo que sossegadas seriam pouco. Como disse o jovem zeza “fomos em trabalho cozer o miolo”, pois foi mesmo assim, cozemos e descozemos o miolo.
Saímos rumo ao Alentejo buscar o parceiro de cordada, bota gassssssssssssss por lá fora e ainda chegamos a Portalegre antes do Joni que vinha de Lisboa.
De manhã saímos rumo a Riglos, resolver uma ensarilhada que deixamos pendente no ano passado, O PURO.


Os três "meninos ".

Este ponto merece um pouco mais de atenção, pois devo explicar que a adaptação a esta escola não é fácil, é preciso amadurecer a tola, no ano passado vagueamos algum tempo debaixo dessa via, mas a coragem nunca nos abordou e acabamos no esporão Adamelo a escalar bolos com gelatina.Este ano íamos decididos a não falhar, a não encontrar desculpas baratas, ai que temos gente por cima, ai que está calor, ai que o puro é babado…,blalalalaaaaaaaaaaaa

O PURO 21-08-2009


Puro - forma bicudinha à direita...



Chegamos bem tarde ao famoso e secreto parquinho onde dormimos no ano passado, mesmo antes de chegar ao povo há uma cortada à esquerda que vai dar a um local de merendas com árvores, mesas, esquilos, fonte… no ano passado ainda nos falaram em guarda civil e proibições, este ano foi bira para baixo que é mesmo lá que vamos dormir.

Já havíamos jantado, infelizmente em Serágrossa comida embalada em caixinhas, para não se ver o seu mau aspecto, massa com frango ou massa consistente. Não montamos barraca - tripartidos no chão e toca a dormir, é de salientar que estava bastante vento e que de meia em meia hora acordávamos com o alarme do carro, pépépé… como se não chegasse isso, o Joni tinha um Marroquino a bater-lhe com uma serra na cabeça.
Inacreditavelmente no dia seguinte estamos frescos que nem uma alface, e lá seguimos rumo ao nosso objectivo.

Chegados ao sopé da via já tínhamos uma cordada por cima, mas ainda no primeiro largo, nada de grave. O Master ZEZA estava ceguinho e lá segiu quase sem falar, é mesmo aqui. - Mas oh Sérgio se fizermos por aquele lado anulamos esta chaminé fo****…..- é nada.

E num piscar de olhos já está o homem na primeira reunião. Bem os dois primeiros largos são tombadinhos para o lado errado, fazem gemer, bufar, sem dificuldade mas com continuidade. Devido a uns acidentes de percurso nessa semana encontrava-me um pouco fraca, mas para não dar parte fraca mentalizei-me que aquilo havia de melhorar, e assim foi, melhorou, piorou, melhorou…No 4º largo o croqui mencionava um 6a qualquer coisa, mas este tipo de cotações é muito ao gosto do freguês, se o gajo era pequeno era um 6b se o gajo era grande era um V, são imprevisíveis. Bem o dito 6a deu mais trabalho que o que imaginava, mas sem preconceito, e com umas cintas larguinhas, lá se passou a barriguinha de bolos. Os 2 largos seguintes são em chaminé, coisa fácil e de grande desfrute.

Chegados à base daquela coisa afiada e pronunciada, aí sim a coisa muda de figura, o miolo começa a trabalhar e o medinho aparece, sol na tromba, vento e um abismo descomunal debaixo dos pés.
Na famosa forma fálica ainda nos restavam 3 largos, de 5b, 5c e 6b, é de salientar que o ser humano gosta de sofrer por antecipação e o largo de 6b martelava-me na cabeça, e ai voltava o marroquino com a serra a dar pancadinhas leves no crânio.

O primeiro largo dessa recta final era o mais fácil e até bem bonito, mas variava entre abismo e entulho, umas bolas de Berlim soltas e aí meus deus o que é que eu faço aqui, cu para o abismo e não penses mais. Chegados à reunião o Joni segiu para o V+, que se tornou para mim e para parte da cordada o largo mais difícil da via. O miolo já não somava 2+2, cegos com o 6b e a pensar fo***** se isto é V+ o que será 6b. No croqui salientava que as presas estavam escondidas, mas estavam lá, eu não as vi e só vi uma expresse com uns dizeres “Agarra-te aqui”, e lá fui parede acima até a última reunião, onde fiquei eu e o Joni de boca a aberta a ver o Zeza fazer o 6b como se de um III grau se tratasse, lançamento para o puxador e siga para cima, na verdade o passito era duro mas nada que não se fizesse. O animal da cordada chegou ao cume e Reunionnnnnnnnnnnnn, ainda falou com a cordada que seguíamos.

Encontramo-nos no cume os três, foto da praxe posemo-nos de pé e vamos lá a parte do rapel, ainda era necessário penar bastante, dar uma voltinha ao cocuruto presos a um cabo de aço que por ventura tinha um piton que abanava mais que os dentes de leite de um miúdo de 6 anos.
Os rapeis são característicos dos Mallos de Riglos, quase todos com “ar debaixo da peida”, tectos, e uma dor abdominal no final dos 4 rapeis.

Tínhamos fome, cede e muita vontade de sair dali para fora, não fosse a "pilita" cair depois de tal cordada a ter pisado. Acabamos de barriguinha cheia na piscina municipal a tomar banhinho com uma vista inesquecível dos Mallos de Riglos num tom avermelhado.

O nosso sorriso dizia tudo:


O Abismo no El PURO

Algumas fotos da aventura vertical:


Riglos


1º largo, Sérgio obstinado


Zeza a fugir de nós no 1º largo


Eu no primeiro lance...dureza sem aquecimento asssusta


Joni à frente no 2º largo


Sérgio no largo de travessia - 3º largo




Teixa 4º largo - 6a




Taia no 4º largo




Zeza a correr na chaminé do 5º largo. - Temos de ser mais rápidos...blalalallaaaa




Joni na chaminé desfrutona


Taia na chaminé desfrutona


Master na saida para a "pilinha", que cara de abismo...lol


Master na saída para a "pilinha", tá na meditação


Eu mesmo antes de chegar ao abismo


Eu e o Joni na passagem abismica, sol, vento, e uma coisa grande ainda para escalar


Hummmm 2+2..... ai o 6b............................ com a tola toda cozida


Sérgio no primeiro lance da recta final


Joni no cocuruto


O tal animal da cordada no cume


O ABISMO no abismo


Du rapel

6 Comments:

Blogger teixas said...

aaaaaaaaah e LPG ? hã ? PGL ? aaaaaaaaahhhhh andarines !!

5:42 da tarde  
Blogger teixas said...

aaaaaaaaah e LPG ? hã ? PGL ? aaaaaaaaahhhhh andarines !!

5:42 da tarde  
Blogger chb said...

Grande via! Sim senhora!
Também já a fiz, mas onde passei mais medinho foi nos largos do canal... é só entulho solto por todo o lado e protecções nem sombras... :S
Como não levávamos material amovível, nos 2 últimos largos antes de chegar à repisa pra entrar para o puto propriamente dito, foi de uma reunião até à outra... sem proteger em lado nenhum!!!!
Mas é uma escaladazita bem nice!!!

Apertem!!!!

11:59 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Entulho no puro?
Mas, onde é que vocês andaram a escalar? Aquilo já está mais limpo que o rabinho de um bébé, depois de a mamâ lhe passar com o dodot!

Parabéns pelas escaladas e venha daí o relato da mais BIG!!

beijinhos

Paulo Roxo

10:13 da manhã  
Blogger Nelson Cunha said...

Tb gostava de adicionar essa no meu 8a.nu!!!

Deve ser bem bem bem abismática!
Fico à espera das "Criandas do Caminho"

Abraço
Nelson

12:28 da manhã  
Blogger TiagoOrlando said...

Ai ai…dureza :)

Só em ver o abismo pelas fotos até o meu miolo começa a sentir os efeitos da altitude!!

Vou começar a treinar às escondidas para depois vos aparecer e acompanhar numa ascensão destas.

Continuação de boas e grandes escaladas.

Tiago Orlando

3:21 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home