quarta-feira, abril 11, 2012

Meadinha 24/25 Março

A Meadinha requer visitas frequentes. Há muito tempo que não existíamos na memória do coelhinho, temíamos que esquecido nos tratasse como estranhos. Decidimos fazer-lhe uma visita. Atacou-nos como sempre. Estamos convencidos que, ou é brincalhão ou tem memória curta.

24 de Março 2012 "Directa a los techos"

Mc abrir o espectacular e variado 1º largo.


Mc no 2º largo

Olha uma cobra...


Mc a iniciar o 4º largo



Taia a chegar à reunião do 4º largo
Sesa no artif do 5º Largo

Seres estranhos moviam-se no meio do mato, olhar fixamente fazia tonturas. A curiosidade não permitia deixar de olhar, o que seria? Gente?



A Taia ainda não estava para bricolage, e abrigou-se num patamar.




















Depois de terminada a via, rapel de resgate.

O ser estranho era um balão de hélio, preso a uns arbustos.


No final do dia caíram algumas gotas.


Sopa dos pobres num abrigo improvisado.


25 de Março 2012 "Puerta sul de los Dioses"
Mc no 1º largo
[C'est Çá] no início do 2º largo

Mc à sombra



O abandono da "Andarini".

Mc na espectacular e fácil travessia do 3º Largo



Sesa abrir o Magnifico 4º Largo um 6c+ de fissura 

Antes de iniciar este largo, fecho os ohos respiro fundo e rezo 7 vezes a minha oração da Meadinha contra o medo: "There is no rabbit".
Saio decidido e meto um ponto precário. O Mc pergunta se está ok e eu respondo com vós trémula:
-nãooo...
- cuidado que essa laje acima está solta! - avisa.
Mas era um óptimo puxador e de lá consegui meter dois friends à bomba, olhei para a chapa lá longe. Coloquei-me em bavaresa fechei os olhos e comecei a subir. As mãos escorregavam, não conseguia tirar nenhuma para magnesiar. Abri os olhos e a chapa continuava lá longe, olhei para baixo e os pontos pareciam lá longe. Pensei: "não posso cair". Subi mais um pouco e as mãos já todas babadas a resbalar. Subi mais. Já estava quase à altura da chapa. 
O Mc informou que o primeiro ponto tinha saltado e já estva ao pé dele. 

Tiro uma mão para ir ao arnês buscar uma cinta e começo muito lentamente a abrir a porta. Não havia volta a dar, acelero a operação já em completo desequilíbrio. O Mc encolhe-se lá em baixo e tenta-se desviar da minha trajectória. Foco a chapa e disparo já todo a rodar no ar. Milagrosamente a cinta acerta na chapa ao mesmo tempo fico sem pés. O coração latia forte. Ao longe parecia-me ouvir risadinhas irónicas de um coelhinho qualquer.Humildemente segui em A0 até à reunião. "Pelo menos fiz em livre até à primeira chapa"... pensei, e fiquei feliz.


 Atenção que no croqui indica duas chapas, mas existe apenas uma. Em caso de voo dá direito a "restart" do patamar, muito porreiro porque dá para fazer à vista mesmo em caso de queda. 
O segundo ponto é um entalador à volta de um graton.
No cumbre.

25 de Março 2012 "Caravela Roxa" revisitada até ao 3º largo.

1º largo da "Caravela Roxa"

Taia no 3º  largo 

Até breve coelhinho.

3 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Muito bom!!!!
Sempre a bombar na bela da Meadinha!!!
Aquele abraço
João

9:10 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Muito boas escaladas.
Breve, breve, se a chuva o permitir, iremos navegar por essas bandas! O coelhinho que nos espere porque iremos preparados com um... golfinho!

Paulo Roxo

9:31 da tarde  
Blogger taia said...

É ver se nos encontramos lá todos, pode ser que consigamos intimidar o coelho.

Paulo cuidado que o golfinho na Meadinha vai ser um peixe fora de água.

Abraço
AB

11:51 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home