quarta-feira, setembro 12, 2012

Urriellu - Sub-ida 19.08.12

Partimos para os Picos no dia 17 de Agosto.
Fomos dormir ao desfiladeiro de "La hermida", onde estavam o Cardi&Claúdia e o Topas&Olga.

No dia seguinte visitamos a praia do "Pechon". Onde acabamos por ficar para jantar e dormir.

No Domingo dia 19 preparamos o material e carregados que nem camelos, com comida para 6 dias, tenda, ferragens variadas, etc etc. iniciamos a aproximação.

Tínhamos caminhado cerca de 200 metros, o calor era abrasador. Paramos e chegamos à conclusão que com aquele peso dificilmente chegaríamos ao refúgio.

Foi nesse lampejo de consciência, que tivemos uma miragem, como um oásis no deserto. Uma linda e forte mula, com cara de quem carregaria com gosto os nossos pesados fardos.
Deixou pasmacenta que lhe coçássemos as costas e que fizéssemos festinhas várias. Mas quando de súbito saco do cordino, para lhe fazer a soga, afastou-se rapidamente para distância segura. Ainda persisti neste jogo do "apanha-me se fores capaz" várias vezes. A Natália perguntava:
- Mas ela depois desce sozinha desde o Naranjo?!
- Desce, claro que desce. 
- Mas e o dono... Deve ter dono. Não?
- Upssss! Às tantas não é boa ideia, ainda somos acusados de roubo... Ainda somos presos e torturados.  


Refizemos as mochilas e lá voltamos à penosa subida.
Com o contra tempo da Apanha da burra, o tempo tinha ficado mais fresco. Ou estaríamos a habituarmo-nos à carga... O certo é que fomos subindo. 

Chegamos ao refúgio de noite. Depois de cerca de 5 horas de grande esforço.

Mal chegamos, ainda de mochilas às costas, ouvimos hablar português. De noite escura, não sabiamos de quem se tratava, mas lançamos um:
- Boa Noite!
- Olá Sérgio! Olá Natália!

Eram: Filipe Carvalho, Nunito "Máquina" e Pedro Pimentel.
Tinham escalado e no dia seguinte iam fazer um dia de descanso.
Pois, nós com a estucha da subida faríamos igual.

Montamos tenda e depois de mais algum convívio fomos dormir.

No dia de descanso tivemos oportunidade de conviver com mais portugueses, o Mário Pulquério e a Maria João que também lá estavam e queriam ir à mesma via que nós.

Passamos ao dia a mirar as cordadas na parede e a fazer prognósticos. Foi uns dias muito bem passado e o ambiente do campo base era bem lusitano.

A imponente face oeste do Pico Urriellu



Não percam as cenas do próximo episódio: abismados tocam na rocha....
Até breve
AB