segunda-feira, julho 07, 2014

PARALLAX. 3 de Maio 2014

2012-04-5 e 6
Estávamos na Páscoa de 2012.


Por lá andavam outras cordadas mas o tempo andava húmido.
Numa quinta-feira dia 4 de Abril de 2012, rumamos eu e a Natália, à zona da fraga da Meadinha conhecida como o "legado", em homenagem aos espanhóis e portugueses, que deixaram esta zona da parede para as gerações futuras.

É claro que isto contraria a máxima, inscrita nos evangelhos de Susifer, de que na Meadinha está tudo aberto. Talvez não seja uma "máxima", mas sim uma "profecia", uma espécie de boas NOVAS.  Desta forma o "Está tudo aberto" passa a "Estará tudo aberto", como quem diz que um dia na Meadinha, tudo será aberto e tudo será encadeado em livre.

E mais tarde, muito mais tarde, "...virá UM que será muito maior do que nós, fará todas as vias, no dia e sem corda, e nesse dia vai chover, nevar e no final fará muito calor, um Anjo descerá em rappel a tocar corneta. Uma poderosa voz de uma nuvem escura dirá '...lo tengo todo' e soltará um forte guincho de coelho..."

Com estas e outras divagações, entramos naquele tempo, pela "Caravela Roxa", e montamos reunião com "entalecos", num confortável patamar.

Saímos do patamar, por uma fissura diagonal para a direita, ainda comum à "Caravela Roxa", direito a um pequeno muro vertical.  Este muro particular, com cerca de 3 metros, e uma fissura de cada lado marca o início do terreno inexplorado.
Superado este muro possível de proteger com material móvel, a parede tomba para placa e as fissuras cegam. O que muda o tipo de escalada agora para placa, e sem possibilidade de proteção móvel. Um piton que abana ao vento dá para enganar a sensação de vazio, e com mais alguns passinhos, chegamos a uma primeira chapa.
Este largo foi uma óptima escola de como colocar "pernos" em cima de "nhunhas". A progressão durante a abertura foi quase sempre recorrendo a unhas, quer devido à dificuldade em colocar material, quer à sujidade da parede. A demora na decisão de subir mais uns centímetros, faz-se notar bem no exagero do escovado. Já é tradição, que não havendo nada melhor para fazer, escova-se (geralmente escova-se mais quando não se vê uma possibilidade de progressão).
Com estas coisas neste primeiro largo, julgo que com o famoso e pesado barbecas do MC, colocamos 1 ou 2 pontos e descemos, deixando uma corda fixa - foi o primeiro dia.

No dia seguinte, sexta-feira santa, chovia copiosamente e acreditando (ou querendo acreditar) nos evangelhos, metemo-nos à parede, mas só deu com muita dificuldade e algumas escorregadelas para recuperar o material - foi o segundo dia.
O Sábado passamos quase à lareira e no Domingo fomos à autopista.



2012-7-1 - Conclusão do 2º Largo

A 1 de Julho daquele ano, decidimos ir terminar o largo das "fissuras paralelas", a burilador e com a sujidade existente, custou muitas horas o metro - foi o terceiro dia.












A chaminé do 3ª largo, ficaria para depois.


O Terceiro largo, visto de perto parecia aterrador. Era necessário ir espairecer, ganhar forma e coragem.

O rasto de caracol!




2012-10-6 e 7 - Abertura 3ª largo.

Voltamos 3 meses depois, não por estar mais em forma, ou por ter mais coragem. Voltamos porque certamente já nos tínhamos esquecido das visões aterradores (acontece sempre assim). No sofá de casa é tudo fácil e fazível, e é esta amnésia que nos vai permitindo sempre regressar.

E queria-mos também forçar em livre o 2º largo.

Desta vez com uma variante de entrada, de uma via antiga, que não aparecendo nos croquis 'oficiais', tem lá um piton a confirmar, tinha-mos escovado esta via esquecida por cima - foi o quarto dia.

Numa conversa com o Pedro Pacheco, ele falou de uma técnica de levar, julgo que uma foice na ponta de uma vara, para ir cortando as silvas e limpando à medida que ia subindo. Isso deu-me "cá uma ideia", e pensei em colocar a escova d'aço na ponta do bastão, assim conseguiria escovar mais metro e meio! Era como uma viajem ao futuro, conseguir ver os gratons escondidos pelo musgo, com uma antecedência até então impossível. E desta forma o leque de decisões ficava mais aberto. No terreno a técnica não se mostrou assim tão espetacular por várias razões. Desde o desconforto de carregar aquilo, o lixo que caia nos olhos, etc. Mas principalmente o facto de estando já escovado não tinha o pretexto para PARAR a escovar, era como se fosse pressionado / obrigado a ir, muitas vezes sem estar preparado mentalmente... Assim logo que pude deixei o bastão pendurado num ponto e segui à moda antiga de escova em punho.

Natália a chegar ao patamar da "caravela roxa", onde montamos a R1

Característico e bonito murinho.




O anoréctico da escovagem!







Natália a dar segurança de uma reunião, mais confortável (da via "Esperança").


A fissura vai cegando até que se transforma em placa. Onde foram colocadas algumas protecções fixas. Com uma curta travessia para a direita, ganha-se um novo canal/fissura. Daqui e já sob a luz ténue das estrelas rapelamos - foi o quinto dia.

2014-5-3 - Abertura 4º e 5º largo. Final.

Depois de um grande intervalo, havia que voltar.

Saímos na Sexta-feira dia 2 de Maio, e seduzidos por perfis montanhosos, vagueamos por terrinhas e aldeias à procura do desconhecido. Perto de Ponte da Barca, metemos por caminhos novos, passamos a Ventozelo, chegamos a Castelo de Aboim já de noite, afinal era este o cucuroto tipo cervino que se via muito ao longe.
Pelo caminho passamos em bloquinhos e fissurinhas, algumas espetaculares como esta com cerca de 10 metros.



Paramos para comer qualquer coisita, nas lagoas acima do Soajo e chegamos à Peneda já bem avançada a noite.

No dia Seguinte para além de terminar a via, tínhamos que plantar dois carvalhinhos, um nosso e outro a pedido do Sérgio Duarte. Duas árvores que recebemos, eu e ele, a quando da participação no Carlos Sá Gerês Trail Adventures.


Os dois carvalhinhos






Na plantação.


1º Largo da "Caravela Roxa"





Desde a R1, ainda na "Caravela Roxa",
a sair do característico murinho, que marca a entrada na PARALLAX.
À esquerda é possível ver a fissura diagonal, variante de entrada.




3º Largo, que foi vencido em Artificial.

Para além de tentar uma vez mais forçar em libre o 2º Largo, havia que chegar rapidamente ao ultimo sítio "conquistado", assim fica melhor dizer que o 3º largo foi em artificial na integra.

Chegamos bastante rápidos à R3, onde coloca-mos mais uma chapa para a reunião.

Acrescentar um ponto na 3ª Reunião,
com cara de maus...






Mais um ponto para ganhar a fissura, sem extrema exposição.



 Daqui ganhamos uma fissura, chaminé, canal, que nos leva ao confortável "patamar das caravelas", 
No canal do 4º Largo

Mais um pequeno largo de fissura, chaminé, canal e chegamos ao cume - foi o sexto dia..

5º largo


5º largo




A tradição já não é o que era... Abrir via, sair por cima e descer ainda de dia?!





Fica o croqui.
Entretanto, ao sétimo dia [enquanto nós descansava-mos], a via teve a sua primeira repetição, pelo MC e Rodas. O segundo largo foi encadeado à vista pelo Rodas. Falta "livrar" o 3º Largo. Candidatos?!



6 Comments:

Blogger Rodas said...

A minha memória ainda está melhor do que pensava, cada vez que me lembro...Uii que medo! eheh Bom report e bela via.

Abraço,
Rodas

7:28 da tarde  
Anonymous FPereira said...

parallax... uma via com o efeito do agiolax...

10:51 da tarde  
Blogger Daniela Teixeira said...

Muito MUITO bom aspecto!!!!
...ai que saudades :)!

11:56 da manhã  
Blogger sesa said...

Rodas obrigado pela repetição e pela propaganda positiva ;)

FPereira segundo a MARVEL. Parallax é uma entidade demoníaca parasita. Aparência cósmica que é a encarnação sensível do medo no espectro emocional. Remonta ao alvorecer da existência, quando a Entidade Vida entrou no universo e abrigava-se no planeta Terra.

Parallax mostrou ser a segunda modalidade de emoção que se formou quando os seres vivos começaram a temer pela sua existência.
Desde o início dos tempos, este parasita é a personificação do medo consciente, viajando de mundo a mundo e causando civilizações inteiras a destruírem-se de paranóia.

A energia oposta ao medo, é a força de vontade. Daí só alguém com a força de vontade para superar o medo grande poderá dominar PARALLAX.

É claro que esta é a explicação da Marvel, a tua é muito mais sucinta e atual, e a ideia está lá...

Daniela o pacto mantêm-se, repitam as nossas que nós repetimos as vossas :)

12:53 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Explicações, mais explicações... Queremos nomes autóctones, ou metam mais banda desenhada, mas da Parvel, e pode ser que pegue. Se não, não passará de um nome com um certo travo a desconsolo, ou de DESASSOSSEGO, que levará a explorações cómicas por parte das mentes mais críticas, ou cínicas, mesmo que futuramente retraídas perante a natureza arisca que a via possui :) There is no marketing ;)
MC

3:52 da tarde  
Blogger Paulo Roxo said...

Agora estou longe mas, já estou a babar-me para enfrentar a Paralax nesse legado... Breve...
Paulo Roxo

6:03 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home