terça-feira, agosto 29, 2006

Olea Pyrus (Oliveira Pereira)

Cheguei a Portalegre no sábado pelas dezasseis horas. Cada vez mais o medo se me apoderava do pensamento, só pensava na prenda de anos que me esperava na Rabada spot secret, a via “Olea Pyrus” uma prenda de aniversário dos grandes amigos Sérgio e Teixinha. Cada vez que consultava o blog onde haviam anunciado o término dos trabalhos na rabada, um frio corria pelas minhas costas, logo tinha de deixar de pensar nos contornos da via, se tinha se não tinha…
Ontem dia 27 de Agosto a grande via caiu aos meus pés. È difícil descrever as emoções que esta me proporcionou, mas vou tentar.

Para não variar chegamos tardíssimo à teixinha, o sol já ia alto, mas seguimos viagem para o encontro final entre mim e mais bela prenda de anos que alguma vez tive.
Quando chegamos perto da “falésia” alguém disse: - Se calhar não vai dar, está muito calor…
Hummm respirei de alivio e concordei sem mais hesitações, acrescentando que estavam connosco as filhas do Teixinha o sobrinho e a Lena, que era difícil para esta malta que não estava habituada, coisa feia esconder o meu medo nas debilitações dos outros.
Enfim, mas ninguém disse mais nada e seguimos caminho, raramente tinha coragem de falar, só pensava em distâncias quilométricas entre seguros, com agravante de que estive 3 semanas afastada da escalada.
Chegados lá o Sérgio e o Teixinha foram colocar duas chapas que estavam em falta, chapas essas que são hoje uma reunião intermédia. Sim teria sido mais fácil fazer a via em dois largos, do que directa.
Logo que acabaram os trabalhos de equipamento dirigiram-se para mim: – vá Natália é tua oportunidade, está pronta para ti, é a tua prenda…
Miauuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu, disse eu em causa de desespero, -não vimos cá logo mais pela fresca, está muito calor. Logo me dissuadiu o Teixinha dizendo, -não, as crianças não aguentam fazer esta caminhada outra vez. Sem hipóteses iniciei o meu equipamento, o medo estava estampado na minha cara, três semanas sem escalar, uma via de 30 metros com chapas raríssimas, mas não fui desprevenida, levei micro-friends e a nova aquisição do Teixinha um camalote C4 nº 2.

Quando reparei já estava na parede, a primeira chapa para não variar, estava a três metros do chão, mas em terreno muito fácil. Para verem o meu medo mal chapei a primeira perguntei imediatamente: -onde está a outraaaaaaaaa…. Foi quando chapei a segunda que me deparei com uma auto-estrada desprotegida, uma placa muito positiva com uma linha continua ao meio, ou seja, uma micro-fenda, hesitei e disse: isto era desnecessário… ouvi algumas risadas… Pensei vou colocar um friend, mas não me perguntem como mas enchi-me de coragem e mais alguma coisa e lá fui eu, mas os problemas não haviam acabado, logo de seguida encontrei uma placa completamente vertical, exposta…descansei mas sabia que não podia hesitar, logo de seguida sem saber o que me esperava segui e foi um delírio total até ao final, passando por travessias horizontais, onde apenas podia chapar quando estava com a cintura ao pé da chapa, pois já não era capaz de puxar a corda com o peso que esta exercia. A via “Olea Pyrus” é de facto a mais bela que conheci até hoje, é uma experiência única, o ambiente envolvente inspira muito, cheguei mesmo a pensar que estava num desses destinos de férias de escalada.

Em relação ao grau da via, não sei dizer nada, sei apenas que adorei faze-la, a felicidade quando desci foi imensa, porque desafiei-me a mim própria e tive que lutar com o medo durante 30 metros verticais, pena não haver fotos, mas vamos lá voltar para uma sessão fotográfica.

O Sérgio em seguida repetiu a “Olea Pyrus”, sem hesitações e o Teixinha encadeou (first ascent) “Ovelhas não são para mato”, a descrição esperamos pelo relato do protagonista, apenas posso adiantar alguns grunhidos que ouvi: -humm,ahhhh,fodssss….

Em seguida Mrs Sérgio sacou “Ovelhas não são para mato” sem qualquer esforço (ele não escala, ele dança na parede). Esta via é também comemorativa, foi equipada no dia em que Sérgio e Teixinha (à um ano atrás) foram apresentados e surgiu a possibilidade de equipar a mais bela escola alentejana, a Penha de Portalegre, um sonho de muitos anos.

E assim se juntou a malta mais ensarilha que conheço até então.

Até breve

3 Comments:

Blogger sesa said...

A ensarilha Mor, Taia "ólibera pérera", aproveitou a prendinha a 100 por 100. Agarrou-se com alma, e deu gosto ver. As vias estão lá. Agora desembrulhadas quem quiser pode provar.

11:23 da manhã  
Blogger Kimie said...

E umas fotos, para adoçarmos os olhos? bjocas

10:20 da tarde  
Blogger chb said...

Tás lá Taia... tás lá!
Esses reports estão cada vez mais nices de se ler... e com prendas de anos dessas, até já querias tar a fazer 50, não? lol
Apertem!

11:23 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home